Opinião

O Algarve estava escaldante este fim de semana

Fui finalmente ao meu Algarve após o final do confinamento, quis sentir o calor da terra, o cheiro da Serra Algarvia, quis recordar o passado no sítio onde fui feliz, queria revivê-lo, ressenti-lo, embora temesse desconseguir.

Depois de passar por Alte e pelo Parragil cheguei a Loulé, o meu destino deste fim de semana, onde quis passar umas horas, embalado pelo calor da serra e da terra, a olhar serenamente o mar ao longe.

O calor da serra é algo que não sinto em Mafra, nem na Ericeira, terras às quais já me habituei e que comecei a gostar, até porque foi neste concelho que constituí família, embora confesse, de vez em quando me pareça fazer falta o tal calor abrasador, o calor que queima, o calor algarvio, pois por cá as brumas regressam à noite para desaparecer a meio da manhã do dia seguinte.

Ao fim dumas horas na Serra Algarvia, o calor de que tinha saudades, e que tanta falta me parecia fazer e de que tinha saudades, começou a incomodar, primeiro um pouco, depois muito, e comecei, enfim, a suspirar pelas brumas de Mafra, agora mais adequadas para esta fase da minha vida, mais calma, mais sossegada e longe da confusão e, rumei a norte ansioso por voltar a sentir o fresco da região saloia, desapontado comigo mesmo, pois percebi que as saudades que tinha do calor, não era relacionado com a temperatura atmosférica, mas do calor da casa de meus pais e da minha infância e adolescência passados em Loulé, mas esse calor infelizmente não volta.

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar