Opinião

A Equitação, uma aposta do Plano do Município de Mafra pós-pandemia

Sendo um apaixonado da equitação e dos cavalos desde tenra idade, embora não tenha sido um cavaleiro exímio, pois virtuosos, como em todos os desportos e em todas as artes, como é o caso da equitação, há muito poucos, pois para além da técnica e do trabalho é necessário conhecimentos aprofundados da anatomia dos cavalos, ter sentimento, ter tato equestre,
ter conhecimentos da psicologia animal, ter humildade para analisar o que correu mal por sua culpa e permanentemente o corrigir, e acima de tudo, discernimento e bom-senso, para poder compor e reinterpretar a arte equestre, à semelhança da música, da literatura, das artes plásticas, e de todas as outras artes, em que os que da lei da morte se libertaram, são muito poucos.

Mafra tem sido o berço e o local de acolhimento de algumas lendas vivas da equitação mundial, de que destaco o Brigadeiro Henrique Calado da Escola de Mafra, nos obstáculos e, o Mestre Nuno de Oliveira, na equitação clássica, considerado em todo o mundo equestre, como o equitador do Século XX.

Para além destes dois génios, Mafra tem uma tradição equestre que se inicia no século XVIII, por ter sido aqui, à sombra do palácio, que se iniciou a criação e seleção cavalar no país, e por ter sido aqui que, no Século XX, se localizou a primeira Escola de Equitação, único local de formação certificada de monitores, instrutores e mestres de equitação em Portugal, durante praticamente todo o século XX.

Por tudo o que referi, é com enorme satisfação que constatei que, no novo Plano Municipal, para utilizar parte das verbas provenientes de Bruxelas para recuperar Portugal pós- pandemia, se encontra expressamente referido a pretensão de se construírem no Concelho de Mafra, novos e modernos equipamentos com capacidade para catapultarem Mafra, como
um local de excelência equestre a nível internacional, quer para a realização de concursos internacionais nas várias modalidades equestres desportivas, quer como centro de treino e estágios.

A construção destas novas infraestruturas deverão, em minha opinião, ser concretizadas num novo espaço deste concelho, pois uma infraestrutura destas exige que, à semelhança de Vilamoura, no Algarve, haja na região uma grande disponibilidade e capacidade hoteleira, que Mafra não possui, bem como um local amplo, e não protegido, como a Tapada de Mafra, para o concretizar.

Vilamoura pode e deve ser um exemplo a seguir neste domínio.

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar