Opinião

A Equitação Portuguesa é candidata a Património Imaterial da Humanidade

A equitação portuguesa, em termos exclusivamente nacionais, foi a semana passada considerada património imaterial, ou seja, foi dado o primeiro passo, essencial, para se conseguir iniciar o processo de reconhecimento da UNESCO, para que possa vir a ser considerada património imaterial da humanidade.

Este primeiro passo foi dado pela empresa público-privada, Parques da Lua, que gere a nossa Escola Portuguesa de Arte Equestre, pela Associação Portuguesa do Cavalo Puro Sangue Lusitano e pela Câmara da Golegã, capital do cavalo Puro Sangue Lusitano.

Penso que o passo que foi dado é importante, no entanto um longo trabalho burocrático e moroso vai agora ser iniciado junto da UNESCO, no sentido do seu reconhecimento internacional, embora pense que poderá não ser difícil, pelo facto de possuímos uma verdadeira e genuína cultura equestre, de que destaco uma doutrina reconhecida e escrita por Manuel Carlos de Andrade, no livro “A luz da liberal e nobre arte da equitação portuguesa“, para além de termos um dos primeiros livros equestres escritos na Idade Média pelo Rei Dom Duarte, “A arte de bem cavalgar em toda a sela“.

Para além da doutrina, elemento essencial para o reconhecimento da singularidade e excelência da nossa equitação e cultura equestre, tivemos no Século XX aquele que foi considerado o cavaleiro do século, o Mestre Nuno de Oliveira, que do Concelho de Mafra onde residia e trabalhava, transportou a equitação portuguesa a um patamar de excelência e reconhecimento internacional, tendo-nos deixado um extraordinário legado escrito e pessoal na transmissão dos seus extraordinários conhecimentos técnicos e filosóficos aos seus alunos, que tudo têm feito para preservar a memória do Mestre, de que realço pela amizade que lhe tenho, o Tenente Coronel Mendoça Frazão, o mestre dos meus filhos.

Com este legado, juntamente com o reconhecimento internacional do cavalo Puro Sangue Lusitano, que em termos de ensino se tem começado a afirmar internacionalmente, com a Escola Portuguesa de Arte Equestre, sedeada em Belém como “ex libris” da equitação portuguesa, sem esquecer a nossa tradicional e característica equitação de toureio e os
nossos extraordinários campinos, não tenho dúvidas que almejaremos o reconhecimento que merecemos.

Espero que Mafra e o seu município também se associem a esta candidatura, por ser um município com tradição equestre, tendo aqui sido sedeada a primeira coudelaria nacional, junto do Palácio, que é a pérola do barroco português, tal como a nossa equitação e cultura equestre, e por ter sido daqui que o Mestre Nuno de Oliveira divulgou mundialmente o nosso cavalo e a nossa equitação.

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar