Opinião

A petição pública para expulsar Mamadou Ba de Portugal

Com a morte do Tenente Coronel Marcelino da Mata que, considero um combatente de exceção, um herói numa guerra, à época, em territórios portugueses em áfrica que o Governo português da altura entendeu ser um desígnio nacional e ser uma guerra justa, “jus bellum”, ou seja, uma guerra legítima, várias pessoas pretenderam, novamente julgar a história e o
Estado-novo, como se os militares e Marcelino da Mata, fossem responsáveis pela guerra e pelas decisões, sempre políticas e estratégicas que, sempre as determinam.

Uma das pessoas que, veio “post mortem” do Marcelino da Mata, pronunciar-se impropriamente, em minha opinião, contra o militar português acusando-o, entre outros epítetos de traidor, foi Mamadou Ba, um cidadão Senegalês, ativista da Associação SOS Racismo, e que integra um grupo de trabalho governamental que se dedica ao estudo e
observação do tema do Racismo em Portugal, e que mercê dessa sua opinião, a meu ver errada e racista, mas legítima num estado democrático e em que a liberdade de expressão é um direito consignado na Constituição, pretendem também erradamente, expulsá-lo de Portugal, havendo já uma petição a decorrer, que já conta com quinze mil assinaturas, com,
espante-se, esse objetivo.

Neste caso, como moutros, as opiniões e as ideologias discutem-se e combatem-se, não se ilegalizam partidos, nem se expulsam cidadãos por delito de opinião.

Haja bom-senso e tolerância.

Nuno Pereira da Silva
Coronel de Infantaria na Reserva

Acerca do autor

Nuno Pereira da Silva

Nuno Pereira da Silva

Coronel de Infantaria na Reserva

Adicionar comentário

Clique para comentar